“Interpretei o gráfico errado”; “minha irmã assinou a carta”; “fiz menos linhas do que a banca exige”. E agora?

Recebi alguns e-mails com dúvidas acerca da redação no vestibular da UFPB. Vou resumi-los nesses três, que representam o essencial do questionamento:

Flávio: “…interpretei o gráfico errado e acabei comentando que o trabalho infantil aumentou e fiz um texto falando sobre o número expressivo de crianças trabalhando na lavoura (…).Gostaria de saber se vou zerar (…) e como é feita a pontuação da redação.”

Nathália: “Minha irmã fez vestibular e disse que na carta assinou e depois apagou com corretivo para colocar um pseudônimo. A redação será anulada?”

Isaunir: “…se eu fizer menos linha do que a banca exige, qual seria a penalidade?

****

A dúvida de Flávio envolve o problema mais sério. Como o aluno é avaliado em produção textual e leitura, deve interpretar corretamente os dados contidos nos textos de suporte (que podem incluir gráficos). A má compreensão desses textos, além de indicar que o estudante lê mal, interfere no desenvolvimento do tema.

Argumentar segundo a informação de que o trabalho infantil aumentou é diferente de fazê-lo com base em dados que informam que ele diminuiu. Ou seja: justificar algo contrário ao que o gráfico mostra compromete a coerência, daí a gravidade desse tipo de equívoco.

Isso não quer dizer que a redação seja zerada. O zero ocorre quando o aluno, por exemplo, foge completamente ao tema ou desenvolve um gênero diferente do que foi pedido. A penalização de quem interpretou mal o gráfico será significativa, mas proporcional ao erro; a banca deverá avaliar também requisitos como coesãoortografiaprogressãoinformatividade e adequação à norma culta, para definir a nota.

Agora as demais perguntas: o uso de corretivo, embora proibido pela Coperve, é menos grave do que a exposição do nome do aluno — esta, sim, geraria uma grande enrascada . Como a banca estipula um número médio de linhas, ultrapassar cerca de duas para mais ou para menos não é problema; o importante é o equilíbrio estrutural do texto (nada de espichar ou encolher artificialmente os parágrafos).