Cespe, vírgula e coerência

Transcrevemos abaixo a questão 3 de recente prova elaborada pelo Cespepara ingresso em funções de nível superior no município do Ipojuca.

O candidato deve primeiro ler o fragmento abaixo:

“(O termo sinergia) também se refere à ação cooperativa de elementos, que resulta em um efeito global maior do que todos os elementos tomados separadamente.”

A banca pede, em seguida, que ele julgue se está certa ou errada esta afirmação: “A organização entre os argumentos mostra ser obrigatório o uso da vírgula depois de ‘elementos’; sua retirada provocaria erro gramatical e incoerência textual.”

****

A função da vírgula na passagem acima é indicar que a oração iniciada pelo “que” é explicativa, e não restritiva. A vírgula facilita a compreensão do texto ao deixar claro, logo de saída, que esse conectivo (o “que”) se refere ao substantivo “ação”. Poderíamos pensar que ele se referisse a “elementos”, que lhe está vizinho.

A omissão da vírgula interferiria na classificação gramatical, pois a oração adjetiva passaria de explicativa a restritiva, mas não comprometeria acoerência nem a coesão do texto. A razão disso é que a forma verbal “resulta”, no singular, não pode estar se referindo a “elementos”, que se encontra no plural.

Resultado: com ou sem vírgula, está claro que o sujeito do verbo “resultar” é a palavra “ação”. Diante disso, está errada a afirmação feita pela banca.