Marcel Proust

“Nada convida tanto a aproximar-se de uma criatura como aquilo que dela nos separa, e que barreira mais intransponível do que o silêncio? (…) Mas que suplício — maior do que guardar silêncio – o de suportar o silêncio de quem se ama!” (em “No caminho de Guermantes”)