O prazer não é mais do que a realização de uma apetência prévia e que não é sempre a mesma, que muda segundo as mil combinações da ilusão, os azares da memória, os estados d’alma, a disponibilidade dos desejos, dentre os quais os últimos atendidos descansam até que haja sido esquecida a decepção de seu cumprimento.